“CALMA, QUE ELE VAI ESTAR LÁ!”

Entrevista a Pedro Moreira.


ENTREVISTA A PEDRO MOREIRA

1-      Breve apresentação…
Chamo-me Pedro Moreira, tenho 22 anos e sou natural de Paços de Ferreira. A nível académico, licenciei-me em Ciências do Desporto e, neste momento, sou aluno de primeiro ano de mestrado em Ciências do Desporto com Especialização em Jogos Desportivos Coletivos na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. A nível profissional, este ano fui o Treinador dos Iniciados do SC Vila Real e fiz Observação e Análise de Jogo para os seniores também do SC Vila Real.

2-      Percurso no futebol como jogador e agora como treinador.
Toda a minha infância e toda a minha vida foi e é ligada ao futebol, comecei a jogar futebol com 7 anos no Futebol Clube Paços de Ferreira, onde joguei durante nove épocas, acabei o meu percurso enquanto jogador de futebol no SC Freamunde, onde apenas efetuei meia época no escalão de Juniores A. Mas, os sonhos passaram da parte de ser jogador de futebol para ser treinador de futebol, todo este meu processo começou na época 2016/2017 onde fui treinador adjunto/estagiário da equipa de Infantis “A” do SC Vila Real, tendo sido o ano de inicialização, um ano de novas vivências e de grandes aprendizagens, principalmente o facto de ter disputado um campeonato de futebol 9, tendo consolidado uma etapa de formação na qual não tinha tido vivências enquanto jogador. Na presente época 2017/2018, tive a possibilidade de dar os meus primeiros passos enquanto treinador principal na equipa de Juniores C (Iniciados) do SC Vila Real, onde foi um ano excecional, cheio de novas vivências, de novos desafios e de novas conquistas. Este ano também surgiu a oportunidade de ter uma primeira experiência na área de Observação e Análise de Jogo, onde integrei a equipa técnica dos seniores do SC Vila Real.

3-      Atual funcionamento do escalão de Iniciados no SC Vila Real.
Devido a ser um ano transitório do futebol de nove para o futebol de onze, no início de todo o processo foi necessário um período inicial para os jogadores se ambientarem com as alterações que ocorriam nessa transição, como o tamanho da bola, espaço do jogo e, principalmente, o tamanho das balizas. Durante este período, estivemos também focados em melhorar a condição física dos jogadores visto terem estado num longo espaço de tempo sem qualquer tipo de atividade física.
Um Microciclo normal contava sempre com três unidades de treino e com um jogo. Existiram semanas que tivemos dois jogos na mesma semana e tivemos que moldar as nossas unidades de treino consoante as necessidades da equipa. Esta época desportiva estivemos, essencialmente, “focados” em ensinar aos jogadores os diferentes momentos do jogo futebol. Em suma, acho que, tendo em conta que competimos com uma equipa praticamente toda SUB14 no campeonato de Iniciados SUB15, foi uma época muito bem conseguida, para além de termos conseguido resultados positivos, também conseguimos passar a nossa “mensagem” aos jogadores e foi, sem dúvida, uma época muito importante para eles.

4-      Fala-nos um pouco da construção, estruturação e funcionamento da(o) tua(eu) equipa/staff técnico.
Inicialmente começamos o ano com quatro treinadores. Eu e o Miguel Novais, responsáveis por comandar todo o processo, o José Soares treinador estagiário da UTAD que também colabora na elaboração de todo o planeamento do processo de treino e o Francisco Oliveira, aluno de segundo ano na licenciatura de Ciências do Desporto, inicialmente enquanto treinador de Guarda-Redes. Na parte final da época, a nossa equipa técnica foi constituída por cinco elementos, os quatro referidos anteriormente mais o João Monteiro que nos ajudou sempre que possível no trabalho com os Guarda-Redes e também na parte de recolha de imagens, filmados os nossos jogos para servir de análise por parte da equipa técnica.

5-      A equipa que treinas atualmente, já a treines desde Infantis… Que evolução tens sentido nestes miúdos e que aprendizagens/vivências te proporcionaram.
Uma das maiores vivências que tive com estes miúdos sem dúvida que foi o torneio copa do Guadiana disputado em Vila Real de Santo António, foi uma experiência muito gratificante, desde os momentos passados em “lazer” até aos momentos da competição. Desse torneio ficaram várias memórias, uma experiência muito boa para todos nós. Este ano foi composto por imensos momentos que nunca me irei esquecer, irei levar sempre estes miúdos no meu coração.
Houve uma evolução notória de todos os jogadores principalmente ao nível do seu comportamento/disciplina nas unidades de treino. A maioria dos jogadores, durante esta época desportiva, tiveram uma evolução muito grande quer a nível físico quer a nível tático, o que irá ser importante para no próximo ano estarem aptos para disputar este mesmo campeonato.

6-      Sabemos que neste momento também fazes trabalho de observação… Como surgiu esse trabalho e em que consiste?
Tem existido uma evolução muito grande nesta modalidade e houve a necessidade de existirem determinados departamentos específicos para as equipas apresentarem um melhor rendimento. O departamento de Observação e Análise de Jogo tem um peso fundamental na preparação das equipas para a competição.
Este trabalho surgiu com um convite por parte da equipa técnica do SC Vila Real (seniores) onde, inicialmente, me ajudaram a dar os primeiros passos nesta área e me forneceram todo o material necessário para realizar a observação. Apenas realizei trabalho de observação do adversário, sempre que possível captava imagens para o relatório que era entregue à equipa técnica tivesse mais informação e fosse mais fácil a interpretação por parte dos jogadores.
Foi um ano de aprendizagem nesta área na qual considero ser importante na planificação estratégica das equipas para a competição, existindo informação pertinente para explorar as debilidades do adversário ou para tentar anular os pontos fortes do mesmo. Todo este processo ajudou-me a evoluir, principalmente na capacidade de leitura e análise do jogo e, principalmente, na capacidade para usar meios tecnológicos. No futuro, espero que venham novas oportunidades para continuar a evoluir neste ramo.

Entrevista feita a 4-6-18




Comentários