11 contra 11 e no fim já não ganha a Alemanha.

A selecção mais dominante do século 21.



   A Espanha de Vicente del Bosque que ganhou dois Europeus, o de 2008 e o de 2012, e o Mundial de 2010 foi a selecção mais dominante do século 21 e aquela que jogava melhor futebol.
   O sistema tático variava entre o 4-2-3-1 e o 4-2-2-2 pois podia jogar com Fernando Torres perto de David Villa e assim jogava com dois avançados ou com Pedro em vez de Torres e assim jogava com dois extremos, Pedro e Iniesta, sendo que Iniesta era um extremo falso pois jogava mais próximo de Xavi do que da linha lateral.
Fig.1.Equipa inicial da Espanha


  Como a Espanha jogava em futebol apoiado com passes mais curtos, Iniesta jogava mais perto de Xavi formando um quadrado com este, Busquets e Alonso para que a troca de bola ocorresse com mais fluidez e rapidez chegando mais rapidamente de um lado ao outro do campo para criar desequilíbrios e aproveitar a profundidade que era dada por Pedro na direita, Capdevilla na esquerda e por Villa na frente de ataque. Esta profundidade só era aproveitada em fases mais adiantadas do terreno pois a Espanha gostava de avançar no terreno com a bola controlada e só quando a equipa tivesse toda subida e aí sim houvesse uma desmarcação é que se tentava jogar nas costas dos defesas ou variar através de um passe mais longo para o outro flanco aproveitando a capacidade que Xabi Alonso tinha nesse tipo de passe e a velocidade que Pedro e Villa tinham e que era difícil acompanhar pelas defensivas contrárias.

Fig.2.Processo ofensivo da equipa da Espanha



   A defender, a Espanha tinha muita facilidade pois era muito compacta nesse momento do jogo com os dois médios mais defensivos da equipa sempre bem posicionados a compensarem-se mutuamente caso fosse necessário, com Iniesta e Xavi fazendo um linha de pressão mais à frente para impedir a construção do jogo ofensivo adversário por parte dos médios e com Villa e Pedro a importunar alinha defensiva adversária para que esta não conseguissem variar os flancos de jogo nem conseguisse entregar a bola ao jogadores mais criativos da sua equipa. No sector mais recuado a Espanha tinha duas vozes de comando, Puyol e Casillas, que estavam sempre bem posicionadas e que controlavam com qualidade o resto da equipa para que esta não deixasse chegar perto da sua baliza com perigo. Prova da excelente qualidade defensiva da seleção foram os apenas dois golos sofridos no Mundial de 2010.
Fig.3.Processo defensivo da Equipa da Espanha


  Uma vantagem que esta seleção Espanhola tinha era que a maior parte do seu onze titular era composto por jogadores do Barcelona, além disso todo a sua equipa inicial jogava na Liga Espanhola sendo mais fácil para os jogadores conhecerem as rotinas uns dos outros pois ou jogavam juntos ou jogavam uns contra os outros.
  Era esta sintonia aliada a um estilo de jogo em que todos os jogadores tinham facilidade de execução que fez com que a Espanha dominasse as competições mais importantes a nível de seleções entre 2008 e 2012 tendo perdendo essa hegemonia quando foi eliminada no Mundial de 2014 e não conseguiu revalidar o título.


Comentários