“CALMA, QUE ELE VAI ESTAR LÁ!”

Destinados à vitória?



    O Chelsea de António Conte parece o mais sério candidato à vitória da Liga Inglesa esta época e deve-o à mudança tática que foi feita ao longo da época, passando a atuar em 3-4-3, que tem funcionado na perfeição. Com Pedro e Hazard a jogar mais perto do ponta de lança, Diego Costa, com dois médios centros com qualidade de desarme e construção de jogo, Kanté e Matic e com Alonso e Moses a controlar as laterais da equipa e a funcionarem como autênticos relógios suíços tanto a atacar como a defender. Na defesa os três centrais conseguem organizar-se e quase nunca são ultrapassados, facilitando o trabalho a Courtois.
Fig.1. Equipa titular do Chelsea.


 

     No processo ofensivo o Chelsea transforma o seu 3-4-3 em 3-2-4-1 com Moses e Alonso a subirem de tal forma no terreno que parecem os extremos da equipa permitindo a Pedro e Hazard que joguem mais próximos de Diego Costa fazendo com que, quando David Luiz e Matic comecem o processo ofensivo,tenham muitas soluções para quem passar a bola pois podem optar pela largura criada pelos homens das alas ou jogar rápido nas costas das defensivas contrárias para a velocidade de Hazard e Pedro que assim ficam em posição privilegiada para fazer golo. Outra vantagem desta tática é a qualidade na saída de bola por parte de David Luiz que cria desequilíbrios pois obriga a equipa adversária a usar um homem para impedir essa saída de bola. E o mais impressionante é que a equipa não se desequilibra uma vez que Kanté consegue controlar sozinho o meio campo defensivo permitindo que os seus colegas organizem o jogo como entenderem. Quando não conseguem, Diego Costa baixa no terreno para poderem jogar em apoio.
Fig.2.Processo ofensivo do Chelsea



      A defender a equipa transforma-se por completo jogando 5-2-2-1 com Diego Costa a impedir a saída de bola por parte do centrais adversários sendo da responsabilidade de Hazard e Pedro controlar a subida dos laterais e ao mesmo tempo o médio mais recuado obrigando a que os adversários usem um futebol mais direto ao invés de jogarem apoiados. Kante e Matic baixam jogando como autênticos trincos jogando muito próximo dos cinco defesas não permitindo que os jogadores mais criativos das equipas adversárias tenham que jogar muito longe da baliza de Courtois sendo mais complicado criar perigo. Para complicar ainda mais a vida aos adversários um dos centrais, por norma David Luiz, controla a profundidade sendo muito difícil criar perigo ao Chelsea através de bolas em profundidade.
Fig.3.Processo defensivo do Chelsea



     O Chelsea da atualidade é a prova de que um treinador trabalha melhor com uma tática a que está habituado sendo mais fácil para ele explicar aos jogadores o que pretende deles do que numa tática à qual não esteja habituado. Como provam os recentes resultados, o primeiro lugar na liga e os vários títulos conquistados pela Juventus, o 3-4-3 de Conte parece ser sinónimo de sucesso por onde quer que ele passe.

Comentários