A magia da unidade de treino!

A CORREÇÃO E A COERÊNCIA AOS OUVIDOS DOS MAIS PEQUENOS (SUB- 7)



Na formação de miúdos de tenra idade, é importante a correção e o feedback positivo em tudo o que envolve um ato por parte do atleta no âmbito do treino. Seja para uma ação direcionada para a prática no exercício, ou para uma atitude em termos de valores morais no que toca à formação do atleta, tem de haver um acompanhamento e uma intervenção positiva/ construtiva por parte do treinador.

Neste âmbito e para o melhor resultado desta intervenção, tem de se saber lidar com fatores que tornam esta intervenção muito importante no consciente destes mini- atletas. São necessárias as noções de contexto, timing e direção certas para essa intervenção.

Vejamos o seguinte exemplo prático:

Em determinado momento do treino, teremos miúdos que estarão a ter um rendimento proveitoso devido ao alto empenho demonstrado, assim como poderemos ter miúdos com um mau desempenho no treino (que não prestam atenção às intervenções e feedbacks que vão sendo dados e com comportamentos que põem em causa o desempenho dos colegas). Haverá uma altura em que a solução passará pelo método do castigo, como por exemplo, um miúdo ficar dois minutos sentado no banco sem fazer parte da(o) “peladinha”/ jogo formal (que por norma é a parte que os miúdos mais gostam). Esta medida pode fazer com que o miúdo perceba que, devido ao seu comportamento e desempenho, ficou por momentos de fora da melhor parte do treino e que há uma relação simbiótica entre o atleta e o seu treinador. Poderá perceber que conseguirá o melhor do treino, dando o melhor de si ao seu treinador! Importa agora tocar num ponto fulcral… Se, passados um ou dois treinos, houver o mesmo tipo de atitudes e empenho por parte de um outro atleta e o treinador não exercer o mesmo tipo de repreensão/ castigo que foi exercido anteriormente (porque, por exemplo, excluindo este atleta não haveria um nº de atletas adequado ao que pretendia do exercício), poderá causar um efeito negativo no consciente do atleta anteriormente castigado e perder a admiração do mesmo. Penso que é melhor perder-se qualidade no funcionamento de um exercício para aquilo que pretendíamos dele, do que perder a admiração de um atleta. Os miúdos tendem a dar muita atenção às promessas (por exemplo, aquele rebuçado prometido que premeia um bom treino) e às (aos) repreensões/ castigos (quando são acompanhados de uma explicação do erro, um porquê da repreensão e o respetivo meio para a melhoria). O enfase dessa atenção recai principalmente sobre a igualdade com que são feitas as promessas, repreensões, elogios ou feedbacks construtivos, para todos os atletas.

É uma gestão difícil, não só pela ginástica mental que se tem de ter para ter em atenção vários momentos, mas também pela gestão de diferentes egos e personalidades, nesta idade tão imatura, o que requer um cuidado constante. É preciso ser paciente, ter capacidade de encaixe e versatilidade nos argumentos usados para a reação a causar, de criança para criança. Além de tudo isto, é necessária uma base de dados constante na memória, de forma a conseguir essa igualdade e consistência nos feedbacks dados.

Texto de Nautilio Ribeiro.

Comentários

  1. Excelente trabalho! Nada a acrescentar! Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Muito obrigado sr. Alcides, é com muito gosto que recebemos a sua opinião e visita no nosso blog. Um grande abraço!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário